terça-feira, 27 de junho de 2017

neg(r)ar

eu não vou ganhar
não vou ser escolhida por seus olhos
não vou sentir o toque leve da sua boca
não vou ouvir seu suspiro em meu ouvido
"eu te quero"

a solidão se senta à mesa. serve-se e come. comendo lentamente, serve um vinho e saboreia. a solidão tem a pele da cor da noite, se esconde pelos cantos sem luz. ela não quer ser vista. apenas só se vê em seu espelho fragmentado.

lá fora, o sol brilha no mais fervoroso calor.

domingo, 18 de junho de 2017

Diálogo I

- Eu queria entender o amor.
- Tá escuro aqui.
- Acende a luz.
- Ascende, luz.
- O amor...
- Era sobre isso que você ia falar.
- Mas...
- O quê?
- Eu não sei o que é, nem por onde começar.
- Calma.
- Vamos com calma.
- É isso que eu queria entender.
- O quê?
- A calma.
- Taí duas coisas que não se respeitam, o amor e a calma.
- Não querem nem saber uma da outra, mas precisam de si.
- Eu gosto do céu.
- Oi?
- Adoro como o ele fica colorido de rosa no final do dia, quando o sol está para se pôr. Fica aquele azul de fundo se mesclando num roxo até chegar no rosa e daí mais um pouco se transforma em laranja e chega no tão esperado amarelo. Me fascina.
- ...
- Acho que é isso.
- O quê?
- O amor!
- Como assim?
- É isso! O encantamento, a fascinação com o simples, o dia a dia. O ordinário se tornando extra-ordinário, só por você o estar olhando. É isso.


- E a calma?...
- Passou.

domingo, 23 de abril de 2017

Tremor es

(Para o meu menino que treme.)

estalo
estica estica estiiiiiiiiiiiiica
aaaah
alivia
relaxa
relaxa
re
la
xa

saiu
fumou um cigarro
não, um cigarro não
parou?
tô no processo
uma água então

o corpo derrama
amarra
arranha
escorre
rasga
retalha
roupa
suor

como você treme
tem dias que são mais do que outros
uma vez te abracei e não tinha mais aquela agitação

a mão abraça de lado
a água não para no copo

abraço respirado
respiro acalmado
a calma
do outro lado

cada um sabe o vício que tem.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Respira

O momento vai chegar
e vai doer
vai demorar
vou suar frio
vou ficar nervosa
talvez eu me embole
talvez eu me esqueça de alguma coisa
talvez eu beba muita água
talvez me engasgue
talvez eu nunca pare de tossir
talvez eu pare

e talvez não.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Resfriado

tosse
tosse
tosse
suspiro
respiro
sorriso
momento
espera
atento
risada
abraço
encontro
tosse
tosse
tosse
inspira
expira
calma
tosse
pausa
tosse
tosse
pausa
olhar
distração
vivência
emoção
espera
concreto
carne
chão
tosse
expressão
comunicação
divisão
união
afeto
abraço
abraço
beijo

tosse

tosse
tosse

dizer
fazer
viver
escrever?
comunicar
abrir
cheirar
ser
estar
tosse

tosse
tosse
tosse
tosse
bocejo
sono
cama
cuidado
comida
banheiro
tosse
chuveiro
água
corpo
sabão
tosse
cuspe
catarro
cigarro
tosse

tosse
tosse
água
tosse
respira
respira
tosse
tosse
tosse
tosse
tosse
tosse
1
2
3
respira
respira
3
2
1
respira
água
água
(peraí que eu fui beber uma água
no meio do caminho
percebi que queria
água de côco
bebi
voltei
sentei)
sono
dormi
sonho
sonho
sonho
sonho
sonhei

vivi
e
revivi
aqui não
não passarão
não ficarão
eu tô de pé
com os meus
mão a mão
juntxs
seguindo
vivendo
simplesmente
vivendo
e incomodando
(mesmo)
quem vier
tirar satisfação
quer você queira
ou não
tá ligado?
esse tempo
agora é nosso
aceita
dói menos

acordei
lembrei?
despertador
água
celular
luz
tosse
tosse
tosse
água
anda
.
.
.
anda
.
.
.
anda
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
vala.



fim.
(ela está bem
bebe sua água de côco
ao som de Criolo
negra)